Na ordenação de três novos diáconos, Germano, Pedro e Fileno

  • Imprimir
Ordenacoes Diaconais_Germano_Pedro_Fileno (29)Bispo de Coimbra convida-nos a convertermo-nos em Cristo
 
O Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes convidou no passado domingo os cristãos da sua diocese a converterem-se ao Senhor de todo o coração, a converterem-se a Cristo o seu diaconado, o seu presbiterado e seu episcopado.
“Convido-vos a convertermos a Cristo a nossa condição de cristãos, a nossa condição de leigos, a nossa condição de consagrados”, disse no dia em que ordenou três novos diáconos na Sé Nova que esteve repleta de fiéis oriundos das paróquias onde se encontram a colaborar e de onde são naturais.
Na homilia enviada à nossa redacção, o Bispo de Coimbra frisou, a partir da liturgia dedicada a S. Pedro e S. Paulo, que “nenhum de nós foi simplesmente chamado a cumprir a agenda típica do ministro ordenado ou a executar as tarefas que se esperam de um ministro da Igreja; fomos chamados a ser de Cristo na fé, a ser da Igreja no serviço, a ser para a humanidade na misericórdia”.
“Pedro e Paulo são grandes por serem de Cristo, por se deixarem converter por Ele e por viverem com Ele e n’Ele, dentro da Igreja que é o Seu Corpo, no serviço apostólico destinado a salvar o mundo”. A nossa única grandeza está em sermos de Cristo, na Igreja, e para o mundo. A nossa única riqueza é o Cristo que trazemos no coração e que podemos repartir com todos os homens ansiosos de um encontro consolador, portador de esperança e gerador de salvação”, desenvolveu na homilia publicada no site da Diocese de Coimbra.
Neste contexto, destacou o episódio de Pedro e João, que se dirigem ao templo para orar, fixam os olhos num mendigo que pede esmola. Têm a coragem de lhe dizer: “olha para nós”. “Ele olhava atentamente e espera deles alguma coisa. «Não tenho ouro nem prata, mas dou-te o que tenho: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda» ”.
Perante esta realidade, D. Virgílio Antunes descreveu a beleza do ministério do diaconado. “Tudo o que somos e tudo o que fazemos no exercício do ministério sagrado, resume-se a levantar pela mão todos os que se encontram sentados, à porta do templo ou já dentro do templo”, explicou o prelado.
Ao dirigir-se aos novos diáconos (Jorge Germano, natural de Nogueira do Cravo; Pedro Simões, natural de Barcouço e Nuno Fileno, natural de Almalaguês), o Bispo de Coimbra afirmou que “todo o exercício do ministério exige de vós, caros jovens: ter Cristo no coração e na vida, o tesouro que sois chamados a levar ao mundo; partir com os olhos atentos a todos os que esperam uma palavra ou um sinal de esperança; ajudá-los a ver Cristo por meio da fé; propor-lhes que O acolham e se alegrem com Ele. Aí encontrareis também a única recompensa que pode esperar o apóstolo do Senhor; aí sentireis a alegria de ser de Cristo e mensageiros da sua graça; aí podereis saborear a felicidade associada à graça da vossa vocação”.
No fim da celebração, o Bispo de Coimbra agradeceu aos novos diáconos a generosidade desta vocação, por terem acolhido ao longo das suas histórias, da ajuda das suas famílias, da ajuda das suas comunidades cristãs onde cresceram, da ajuda dos seminários que frequentaram, com a ajuda da oração este dom magnífico que é estar ao serviço do Reino de Deus. À semelhança dos apóstolos S. Pedro e S. Paulo, D. Virgílio incentivou-os a lutarem incansavelmente por esta causa. O Bispo de Coimbra agradeceu ainda a todos os formadores destes novos diáconos, às paróquias (Almalaguês, Nogueira do Cravo, Barcouço e Souselas) e às paróquias que os foram acolhendo ao longo do tempo de Seminário, e agora ultimamente, Ceira, S. João Baptista, Unidade Pastoral de Conímbriga e Pombal. Por último agradeceu ao Seminário Diocesano do Porto pelo trabalho desempenhado nos últimos anos no acompanhamento dos nossos seminaristas. “É uma alegria que reconhecemos o trabalho feito em favor da nossa diocese”, disse o Prelado perante o reitor e alguns formadores presentes, assim como os colegas seminaristas que estiveram presentes nesta celebração.
Por fim, agradeceu aos sacerdotes, diáconos, consagrados e leigos presentes, reconhecendo a importância do diaconado para a Diocese de Coimbra, sem descurarmos da necessidade de continuarmos a rezar pelas vocações sacerdotais, relembrando aos presentes que sempre que passem por Coimbra, de efectuarem uma visita ao Santíssimo Sacramento na igreja de S. Tiago.
 
Miguel Cotrim